Cabinda em estado de guerra com mais seis mortos, entre eles dois civis - Plataforma Media

Cabinda em estado de guerra com mais seis mortos, entre eles dois civis

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) reivindicou a morte de três militares das Forças Armadas Angolanas (FAA), em confrontos naquele enclave, que provocaram ainda a morte de um dos seus militares e de dois civis.

Em “comunicado de guerra”, tornado público hoje, a FLEC descreve que os confrontos aconteceram na manhã de quinta-feira, na aldeia de Tando-Limbo, no eixo rodoviário entre Inhuca e Massabi.

Os conflitos decorreram na sequência de uma posição das Forças Armadas Cabindesas (FAC) ter sido atacada por uma patrulha das FAA “em violação total ao apelo de cessar-fogo lançado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres”.

“Um militar das FAC perdeu a vida durante a agressão das Forças Armadas Angolanas, que perderam três homens. Durante os combates duas mulheres da aldeia vizinha foram abatidas pelo fogo dos militares angolanos”, lê-se no comunicado.

No documento, assinado pelo general António do Rosário Luciano, porta-voz do Estado-Maior-General das FAC, a FLEC afirma que “não cede às incessantes provocações sanguinárias das FAA”, referindo que “mantém o cessar-fogo em respeito ao apelo de António Guterres”.

A FLEC denuncia também alegadas mentiras propaladas pelas FAA, que “invadem os territórios da República do Congo e da RDCongo violando a soberania desses países, alegando perseguirem militares das FAC”.

“A FLEC-FAC opera exclusivamente no interior do território de Cabinda e recusa ser o álibi dos projetos expansionistas angolanos na República do Congo e República Democrática do Congo”, acrescentou.

Na quarta-feira, a FLEC anunciou a morte de 12 pessoas, entre militares e civis, também por confrontos naquele enclave angolano.

A FLEC, através do seu “braço armado”, as FAC, luta pela independência no território alegando que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes fações, efémeras, com a FLEC/FAC a manter-se como o único movimento que alega manter uma “resistência armada” contra a administração de Luanda.

Mais de metade do petróleo angolano provém desta província angolana.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
ChinaMundo

Oito meses depois ELP fala de mortes na disputa fronteiriça

AngolaPolítica

Ativista de Cabinda libertado após sete meses diz que detenções são recorrentes

ChinaMundo

China partilha vídeo dramático de confronto com tropas da Índia

AngolaPolítica

Deputados em Angola autorizaram construção de refinaria em Cabinda

Assine nossa Newsletter