China ganha ao Ocidente na oferta de bolsas a estudantes africanos - Plataforma Media

China ganha ao Ocidente na oferta de bolsas a estudantes africanos

Pequim ofereceu 12.000 bolsas universitárias a estudantes africanos para o próximo ano académico, mais do que todos os países ocidentais em conjunto, relata o Financial Times na edição de hoje.

Segundo o Relatório Anual Global de Educação da UNESCO, a China ofereceu 12.000 bolsas universitárias a estudantes africanos para o próximo ano académico, para apoiar os seus estudos em universidades chinesas. Uma oferta superior à feita pelo conjunto dos países ocidentais, nota a notícia do Financial Times. Para se ter uma ideia, o governo do Reino Unido oferece cerca 1100 bolsas anuais a estudantes africanos, enquanto os governos alemão e francês oferecem cerca de 600 cada e os programas da União Europeia oferecem 300.

A análise do Financial Times é a de que esta é uma demonstração de poder leve feita pela China, juntamente com o investimento económico que faz em África, tem o seu efeito. “A ajuda chinesa é específica a nível regional e tende a ser definida pela estratégia de Uma Faixa, Uma Rota“, afirmou no artigo o Professor Simon Marginson, da Universidade de Oxford. “Uma das características da política da China, comparando com a do Reino Unido, é a continuidade a longo prazo”, enfatizou.

Enquanto no Reino Unido há uma tendência para “mudar de política de orçamento em orçamento e ainda mais se houver uma mudança de governo”, na China, o que acontece é que “continuará a aumentar o investimento nas bolsas universitárias a estudantes africanos por daqui a muitos anos”.

O artigo do Financial Times observa ainda que outros dois grandes competidores com a China na oferta de bolsas a estudantes africanos são a África do Sul e a Rússia, cada um a providenciar milhares. A Índia e a Turquia também estão entre os maiores doadores.

A China fundou uma rede global de Institutos Confúcio nas universidades, incluindo em África, tal como outras iniciativas para promover os intercâmbios no ensino e a aprendizagem de línguas. O programa Confúcio tem sido muito criticado nos Estados Unidos que alegam que a China faz vigilância dos estudantes abrangidos e que lhes restringe as suas liberdades académicas.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
EconomiaMundo

África Ocidental volta a adiar lançamento de moeda comum para 2027

EconomiaMundo

Países desenvolvidos vão impor condições para ajudar África

ChinaEconomia

China diz que 'novo capital' do FMI deve ser distribuído pelos países africanos

ChinaPolítica

Taiwan: Pequim protesta por participação em organizações internacionais

Assine nossa Newsletter