Polícia chamada à IURD em Luanda por guerra entre pastores - Plataforma Media

Polícia chamada à IURD em Luanda por guerra entre pastores

Segundo um dos dissidentes da IURD, o incidente terá acontecido quando um grupo de pastores brasileiros tentou recuperar o templo que tinha sido tomado por angolanos.

A polícia angolana foi chamada a intervir na madrugada de hoje num dos templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Luanda, tendo conduzido até à esquadra cinco pessoas que foram posteriormente libertadas.

Segundo declarações do superintendente Lázaro Conceição, à Televisão Pública de Angola (TPA), a polícia foi chamada a intervir no templo do Morro Bento (bairro de Luanda) “para manter a ordem e a tranquilidade pública, às 4 da manhã”, tendo sido identificadas no local cinco pessoas, quatro de nacionalidade angolana e uma estrangeira.

Depois de serem levados para a 21.ª esquadra, onde “foram submetidos a uma entrevista policial”, os cidadãos foram libertados.

“Não ficou provada a existência de um crime que pudesse justificar a sua detenção pelo que foram apenas identificados e postos em liberdade”, adiantou Lázaro Conceição, explicando que serão os tribunais a decidir sobre o conflito entre os pastores angolanos e brasileiros da IURD.

O superintendente sublinhou que durante a intervenção policial não houve recurso à força, tendo a polícia chegado ao local e identificado que havia divergências.

Segundo um dos dissidentes da IURD, o incidente terá acontecido quando um grupo de pastores brasileiros tentou recuperar o templo que tinha sido tomado por angolanos.

Pastores angolanos tomam IURD de assalto e afastam brasileiros

Gime Inácio, porta-voz da comissão de reforma da IURD, disse à TPA que os templos do Morro Bento e do Patriota foram invadidos por homens armados e que a polícia efetuou alguns disparos para controlar o tumulto, o que foi, no entanto, negado por Lázaro Conceição.

O mesmo porta-voz afirmou que foi indicado um novo líder para dirigir “os destinos da igreja” brasileira, em Angola, o bispo Luís Valente.

As desavenças entre os pastores brasileiros e angolanos, que se arrastam há vários meses, culminaram na segunda-feira com a tomada de templos em várias províncias, incluindo 30 em Luanda.

Os angolanos, que se desvincularam da ala brasileira, falam de vários crimes e práticas negativas dos brasileiros, incluindo racismo, corrupção e desvio de divisas.

A IURD contesta e acusa este grupo de “práticas e desvio de condutas morais e, em alguns casos criminosas, contrárias aos princípios cristãos exigidos de um ministro de culto”, queixando-se de ser alvo de ataques xenófobos.

Entretanto, a IURD em Angola comunicou, na sua página da rede social Facebook, que apesar da reabertura, hoje, ao culto presencial, as suas igrejas vão continuar fechadas em todo o país, por não estar garantida a segurança de pastores e fiéis.

Artigos relacionados
AngolaSociedade

Fortes ventos em Luanda provocaram uma morte

AngolaSociedade

“Luanda precisa de um roteiro turístico”

AngolaSociedade

Primeiras pessoas vacinadas não relatam efeitos colaterais

AngolaSociedade

Aumentam crianças arrastadas para as vigílias no “Morro dos Veados”

Assine nossa Newsletter