Cabinda quer paz e autodeterminação - Plataforma Media

Cabinda quer paz e autodeterminação – entrevista completa do líder da FLEC-FAC

O cessar-fogo acabou; Cabinda volta a contar mortos e refugiados; sobe a tensão política… Em entrevista exclusiva ao PLATAFORMA, o líder da FLEC-FAC declara-se “pronto a negociar a paz”; ataca os governos angolano e português, mas também Guterres e as Nações Unidas; pede ajuda para os refugiados. Até partilha o petróleo; mas há um preço: Cabinda quer paz e autodeterminação, explica Emmanuel Nzita, abrindo a porta a um referendo. “Como em Timor”, conclui.

O argumento histórico-jurídico ao qual se agarra a Frente de Libertação do Enclave de Cabinda é o Tratado de Sinilambuco, assinado em 1885 – nas vésperas da Conferência de Berlim – no qual Portugal formaliza Cabinda como um protetorado. Tese, contudo, nunca assumida por Angola, que ao declarar a independência, em 1975, anexa o enclave, com base noutro conceito, desenvolvido pela ditadura de Salazar: “Angola é nossa (…) de Cabinda ao Cunene”.

Passados 45 anos, ainda assim o conflito mantém-se e a floresta de Maoimbe – rara extensão e densidade – protege um movimento de guerrilha que, incapaz de enfrentar o Exército angolano, mantém viva a chama da resistência. O perfil da resistência, de facto, tem alguma analogia com a resistência timorense décadas albergada nas montanhas. Não se sabe ao certo quantos homens terá a FLEC-FAC no terreno; mas o apelo às negociações de paz para Cabinda, lançado nesta entrevista por Emmanuel Nzita, é claro. A guerra não é solução, nem lhes interessa eternizá-la.

O PLATAFORMA tentou, sem sucesso, uma reação do Governo angolano à entrevista de Emmanuel Nzita; a UNITA diz que é “insanidade negar o conflito”, atira-se ao Governo angolano e critica a diplomacia de Lisboa, pelo seu alheamento no caso.

Emmanuel Nzita, filho do fundador da FLEC-FAC, Nzita Tiago, prometeu cumprir o legado do seu pai. O discurso, na altura, era o a independência, sem nuances. A porta aberta a um referendo a comparação com Timor; a pressão sobre Portugal e as Nações Unidas mostram uma forma diferente de lá chegar. Cabinda quer negociar a paz; encontrar soluções para os interesses ligados à extração do petróleo – mais de metade do crude exportado por Angola – e negociar um referendo para um modelo de autodeterminação.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
AngolaPolítica

FLEC-FAC anuncia amnistia para ex-combatentes das Forças Armadas e polícia de Angola

AngolaPolítica

Ativista de Cabinda libertado após sete meses diz que detenções são recorrentes

AngolaPolítica

Deputados em Angola autorizaram construção de refinaria em Cabinda

AngolaCultura

Museu Regional de Cabinda regista redução de visitantes

Assine nossa Newsletter