FLEC-FAC de Cabinda e forças angolanas - Plataforma Media

Combates entre a FLEC-FAC de Cabinda e as forças angolanas fazem cinco mortos na fronteira com o Congo

A Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC-FAC) diz ter ripostado contra a “ofensiva” das Forças Armadas Angolanas na noite de terça-feira, perto da fronteira com a República Democrática do Congo (RDC). No balanço de cinco mortos estão três civis e dois soldados do exército angolano. Há ainda três feridos do lado dos independentistas

Em comunicado, os guerrilheiros da FLEC-FAC disseram que o Exército angolano lançou uma ofensiva na noite de terça-feira contra as posições dos independentistas de Cabinda, nas aldeias de Pengamongo e Sangamongo, município de Buco-Zau, perto da fronteira com a República Democrática do Congo (RDC). Na resposta à ofensiva, a FLEC -FAC diz ter havido cinco mortos, entre eles, dois soldados angolanos e três civis. Há ainda três feridos do lado da FAC.

“As Forças Armadas Angolanas (FAA) tomam civis por alvos e cometem abusos. Mataram três civis e detiveram indivíduos que acusam de pertencer à FLEC”, denuncia o comunicado dos guerrilheiros do enclave de Cabinda.

“A insegurança reina no território de Cabinda e torna difícil o combate contra a pandemia da Covid-19. A FLEC-FAC apela à comunidade internacional para agir rapidamente por forma a salvar as vidas de inocentes”.

Ainda segundo o comunicado, os ataques das FAA “tomam várias vezes a forma de emboscadas e incursões em aldeias congolesas”.

Organizações que defendem a autonomia da província angolana de Cabinda consideram reais os alegados confrontos entre as Forças Armadas Angolanas (FAA) e o braço armado da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC).

Segundo relatos de organizações que advogam pela paz e defendem a autonomia da região, confrontos entre soldados angolanos e guerrilheiros intensificaram-se nomês de junho. As incursões militares atribuídas às FAA terão feito pelo menos 23 mortos em junho, noticiou a DW.

Em comunicado já publicado no Plataforma, a FLEC-FAC exortou o primeiro-ministro português, António Costa, a “parar de praticar a política de avestruz no caso Cabinda” e romper o silêncio. A FLEC-FAC também pediu “à classe política portuguesa que expresse uma opinião sincera sobre a questão de Cabinda e condene claramente a política repressiva do governo angolano no território de Cabinda”.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
AngolaPolítica

FLEC-FAC anuncia amnistia para ex-combatentes das Forças Armadas e polícia de Angola

AngolaPolítica

Ativista de Cabinda libertado após sete meses diz que detenções são recorrentes

AngolaPolítica

Deputados em Angola autorizaram construção de refinaria em Cabinda

AngolaCultura

Museu Regional de Cabinda regista redução de visitantes

Assine nossa Newsletter