Caso IPIM: Dada residência a quadro que não vivia em Macau

Caso IPIM: Dada residência a quadro que não vivia em Macau

O Instituto de Promoção do Comércio e Investimento de Macau (IPIM) deu residência até 2019 a um gerente de uma empresa que, em média, ficou menos do que um mês em Macau por ano. Por ser considerado quadro dirigente, conseguiu também estatuto de residente para a mulher e as filhas.

O caso foi tratado pela alegada rede que está a ser julgada no Tribunal Judicial de Base por corrupção e falsificação de documentos, mas que não envolveu as antigas chefias do IPIM. Também não há provas de pagamentos suspeitos.

A acusação diz que o empresário Ng Kuok Sao chegou a cobrar entre um milhão a um milhão e meio de patacas por uma autorização de residência conseguida através do IPIM. O dinheiro seria distribuído pela alegada associação criminosa da qual o antigo presidente do IPIM Jackson Chang também faria parte.

Mas, no caso discutido esta terça-feira em tribunal, o Comissariado contra a Corrupção (CCAC) não sabe quanto terá sido pago a Ng Kuok Sao. “Não conseguimos apurar o montante”, disse o investigador responsável que, mesmo sem provas, manteve que “houve pagamentos” porque houve “prestação de serviços”.

Leia mais em TDM

Related posts
MacauSociedade

Dois anos de prisão efetiva para ex-presidente do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau

ChinaMacau

Caso IPIM: Família de Jackson Chang “exposta a injustiça”

Assine nossa Newsletter