Raparigas moçambicanas pressionadas a casar mais cedo por causa da crise - Plataforma Media

Raparigas moçambicanas pressionadas a casar mais cedo por causa da crise

A Plan International, uma organização não-governamental (ONG) internacional, considerou hoje que as raparigas moçambicanas se sentem mais pressionadas pelos familiares a casar cedo devido ao agravamento da situação económica provocada pela pandemia de covid-19

 A Plan International, uma organização não-governamental (ONG) internacional, considerou hoje que as raparigas moçambicanas se sentem mais pressionadas pelos familiares a casar cedo devido ao agravamento da situação económica provocada pela pandemia de covid-19.

A Plan International analisou a situação das raparigas em Moçambique no contexto da covid-19, no quadro da “Avaliação Rápida das Necessidades de Género em Inhambane, Nampula e Sofala” que esta ONG realizou.

“As raparigas confirmaram que sentem uma pressão crescente para casar cedo, enquanto permanecem em casa, devido ao encerramento da escola por causa da covid-19”, refere-se nas conclusões da avaliação.

O estudo avança que muitas raparigas não vão regressar à escola quando o ensino for retomado, porque a prioridade da família é assegurar o casamento das filhas.

“A covid-19 está a afetar negativamente o acesso aos meios de rendimento, com o encerramento de alguns estabelecimentos e a diminuição de pequenos negócios e, consequentemente, o acesso aos alimentos”, lê-se no documento.

Recordando que as raparigas nas zonas rurais moçambicanas têm a responsabilidade de procurar água potável longe de casa, a Plan International refere que a busca por este recurso agravou a exposição aos riscos de infeção por covid-19.

“O acesso à água é difícil, uma vez que as fontes de água estão muito longe das casas. Como resultado, a quantidade que as mulheres e raparigas são capazes de ir buscar não é suficiente para todos os fins, especialmente para cumprir as práticas de higiene recomendadas para a prevenção da covid-19”, diz a avaliação.

Por outro lado, prossegue, as unidades sanitárias funcionam com capacidade reduzida, causando restrições no acesso aos serviços de saúde sexual e reprodutiva, devido ao distanciamento social e à redução do pessoal da saúde como medida de prevenção da contaminação.

Os papéis e responsabilidades das raparigas e das mulheres aumentaram, principalmente a carga de trabalho doméstico, com a eclosão da pandemia do novo coronavírus, continua a análise.

A Plan International lembra que Moçambique é um dos dez países do mundo com maior prevalência de uniões prematuras e tem a segunda maior taxa na sub-região da África Oriental e Austral.

Uma em cada duas raparigas é obrigada a casar prematuramente no país.

Moçambique conta com 2.855 casos do novo coronavírus e 19 óbitos.

Related posts
Lifestyle

Pandemia faz surgir novas tendências nos casamentos. Eis oito ideias que ganham fama em 2021

Sociedade

Pandemia pode gerar dez milhões de casamentos de crianças até 2030

LifestylePortugal

Um ano com menos 25 mil casamentos - e os de abril já estão a ser cancelados

Sociedade

Pandemia em Nova Iorque está em fase descendente e já se pode casar online

Assine nossa Newsletter