“Sofro muito com a derrota e não sou muito feliz com a vitória”

“Sofro muito com a derrota e não sou muito feliz com a vitória”

Para Sérgio Conceição, a hegemonia do F. C. Porto no futebol português não merece contestação. O valor da coragem e de ser genuíno também não. Por isso, em conversa com a “Notícias Magazine”, aborda sem pudor o momento em que se queixou de falta de união nos dragões, a fumarada que a vinda de Jorge Jesus veio criar, a urgência de ter os adeptos de volta aos estádios ou os muitos disparates que são ditos nas televisões.

Mas também a vida pessoal. A experiência nas obras e na feira, a “parte negra” que a morte dos pais lhe deixou, o temperamento difícil, as noites em branco, os jantares de família em que os telemóveis são vedados. Até as muitas multas que paga por gostar de acelerar.

O Clube das 5 da Manhã”, do canadiano Robin Sharma, é o livro que anda por estes dias na mesa de cabeceira de Sérgio Conceição. É a história de uma empreendedora que revoluciona a sua vida quando começa a acordar de madrugada. Curiosamente, de há uns meses para cá, também o técnico do F. C. Porto faz questão de acordar diariamente às 6.30 horas, para correr. Por gosto, sim, para aliviar o stresse também. Fá-lo de madrugada porque não concebe a ideia de roubar à família mais tempo do que aquele que o futebol já lhe leva. Só depois segue para o Olival, que se faz casa de manhã à noite. É lá que o encontramos, depois de mais um treino vespertino. Chega sério, palavras bem medidas, a pele marcadamente morena (culpa do sol que apanha no centro de estágios, explica). Fala das corridas e da família. Pergunta, meio a sério meio a brincar, se a entrevista só durará uns dez minutos. Depressa se esquece do relógio. Ao longo de mais de uma hora, vemo-lo sisudo e austero, a personificar o inconformismo de que tanto fala, mas também sentimental, emocionado, o lado humano a querer furar o temperamento que a vida lhe colou à pele. Ou divertido, a rir com vontade, só um homem simples, de princípios fixos, a jurar amor eterno à mulher e aos filhos. Invariavelmente genuíno, sem personagens nem capas, faz questão de garantir.

Chegou ao F. C. Porto há pouco mais de três anos. Desde então, a equipa venceu uma Supertaça, dois campeonatos e uma Taça de Portugal. O F. C. Porto tem neste momento a hegemonia do futebol português?
Acho que nisso não há dúvidas. Não sou eu que o digo. São os títulos conquistados nos últimos tempos, no passado recente. Também no confronto direto com os grandes rivais o F. C. Porto tem levado a melhor. Mas obviamente que o futebol é um recomeçar constante, tanto de um jogo para o outro, como depois dos títulos que se ganham.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
AngolaDesporto

Campeão sobe no Girabola com triunfo frente aos leões

DesportoMacau

Campeão chinês de futebol interrompe actividade

DesportoPortugal

Sporting empata no Dragão e mantém os 10 pontos sobre o FC Porto

BrasilDesporto

Flamengo perde, mas é campeão brasileiro com empate entre Inter e Corinthians

Assine nossa Newsletter