Teresa Coutinho: "É difícil ser mulher e não ter sentido já discriminação" - Plataforma Media

Teresa Coutinho: “É difícil ser mulher e não ter sentido já discriminação”

Teresa Coutinho é a autora e encenadora de O Eterno Debate. Também é atriz, amante de poesia e lutadora – pela igualdade e pelos direitos. Das mulheres e não só

E se o mundo fosse ao contrário? Se em vez de serem os homens a dominar o discurso, fossem as mulheres? Se num debate televisivo o normal fosse ter um painel maioritariamente feminino? E se, ao mesmo tempo que pregam as maravilhas da pluralidade, as mulheres fossem tratando o único homem na mesa com condescendência? E se, em vez de poder dizer o que pensa e ser ouvido, ele fosse constantemente interrompido e ignorado, elogiado pela roupa que traz e criticado pela maneira como fala? Esta é a proposta de O Eterno Debate: trocar os papéis para pôr em evidência a discriminação de género que está presente em tanto daquilo que dizemos e fazemos.

A peça nasceu em 2018 para a rubrica “A Peça Que Faltava”, da RTP2. “Pensei logo que queria usar essa ferramenta – a televisão – e brincar com o espectador, criando um debate televisivo que pudesse parecer verdadeiro. Isso permitiria criar uma realidade distópica em que, de repente, os dominantes passam a ser outros”, conta a autora e encenadora Teresa Coutinho. Claro que o espetáculo usa o humor para sublinhar a situação: “É nesse lugar do absurdo, quando esticamos a realidade e as pessoas acreditam que aquilo não é sobre elas, mas na verdade é, e então é como se lhes tirássemos o tapete, e percebem que estão a ver-se ao espelho, a rir de si próprias.”

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
CulturaPortugal

#naruapelacultura junta milhares em protesto nas redes sociais

CulturaMacau

“Constelações” de Wang Chong sobe ao palco em janeiro

AngolaCultura

Conceição Diamante enaltece contributo da mulher

AngolaCultura

Ministra da Educação de Angola quer promoção do teatro nas escolas

Assine nossa Newsletter