Amnistia alerta para crimes contra civis após três anos de insurgência em Cabo Delgado - Plataforma Media

Amnistia alerta para crimes contra civis após três anos de insurgência em Cabo Delgado

A organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) voltou hoje a pedir uma investigação independente a crimes contra civis em Cabo Delgado, norte de Moçambique, numa declaração alusiva aos três anos do início da insurgência na região.

“As violações contra a população devem terminar imediatamente” e “as autoridades moçambicanas devem garantir que nenhum suspeito do crime, incluindo as forças de segurança, fique impune”, refere Deprose Muchena, diretor da AI para a África Oriental e Austral.

As autoridades devem lançar “uma investigação independente e imparcial sobre estes graves abusos e, se houver provas suficientes, devem levar os suspeitos a julgamento”, acrescentou.

Segundo a organização, “três anos após o início dos combates” na província de Cabo Delgado, as vítimas do conflito “não estão mais perto da justiça, verdade e reparação”.

“As autoridades não conseguiram responsabilizar os suspeitos por crimes contra o direito internacional e violações dos direitos humanos”, sublinhou.

A AI está entre as organizações internacionais que em setembro condenaram atos retratados em vídeos distribuídos nas redes sociais com práticas de tortura e outras violações de direitos humanos, responsabilizando membros das forças armadas moçambicanas.

O Governo moçambicano tem reiterado que são montagens e tem defendido os seus militares e polícias.

“Há evidências de que as forças de segurança também cometeram crimes contra o direito internacional e violações dos direitos humanos, incluindo desaparecimentos forçados, tortura e execuções extrajudiciais”, reafirma hoje Deprose Muchena.

O diretor da AI considera que se trata de crimes “agravados pelo facto de as autoridades moçambicanas não permitirem que jornalistas e investigadores locais e internacionais documentem a situação, sem repercussões”.

A província costeira mais a norte de Moçambique, que faz fronteira com a Tanzânia, enfrenta uma crise humanitária com mais de mil mortos e 250.000 deslocados internos após três anos de conflito armado entre as forças moçambicanas e rebeldes, cujos ataques já foram reivindicados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, mas cuja origem continua por esclarecer.

De acordo com a AI, o número de mortos já ultrapassa os 2.000.

A região deverá acolher nos próximos anos investimentos da ordem dos 50 mil milhões de dólares (42,6 mil milhões de euros) em gás natural, liderados pelas petrolíferas norte-americana Exxon Mobil e francesa Total (que já tem obras no terreno), com apoio de bancos e agências de apoio ao comércio externo de vários países, entre os quais os EUA.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Related posts
Moçambique

Moçambique precisa de 94 milhões para ajudar deslocados de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Moçambique/Ataques: Problema nasceu nos anos 90, com desinteresse de Maputo

PolíticaSociedade

Presidente de Moçambique anuncia que extremistas foram 'expulsos' da cidade de Palma

MoçambiqueSociedade

“Mais de mil” deslocados de Cabo Delgado rejeitados por Tanzânia

Assine nossa Newsletter