Fome em Timor-Leste é alarmante. Guiné-Bissau, Angola e Moçambique com situações graves - Plataforma Media

Fome em Timor-Leste é alarmante. Guiné-Bissau, Angola e Moçambique com situações graves

Brasil e China no bom caminho. Índice Global da Fome de 2020 revela ainda muitos problemas em 51 países

A décima quinta edição do Índice Global da Fome (GHI na sigla inglesa) apresenta algumas melhorias em diversos países desde o início do milénio, contudo, o Objetivo Fome Zero em 2030 parece estar fora do alcance se não ocorrem reformas profundas e drásticas nos diversos sistemas alimentares. Além disso, o contexto de pandemia atual pode mesmo duplicar o número de pessoas expostas à fome.

Atualmente, a situação é classificada como moderada, enquanto que no ano de 2000, a situação era considerada grave. No entanto, a média agora consguida não contempla os desafios sérios e persistentes que muitos países e regiões enfrentam, bem como o potencial da situação piorar no futuro.

Nos países de língua portuguesa, os problemas também são grandes. Em Timor-Leste, que apresenta uma insegurança alimentar crónica, a produtividade agrícola é baixa e o consumo alimenta é inadequado. Muitas pessoas dependem de estratégias de subsistência únicas e de baixo valor. Infraestruturas básicas de saneamento, água potável, estradas, irrigação, escolas e saúde são precárias, assim como o nível de capital financeiro e humano do país. Estima-se que 30,9% da população esteja subnutrida e que a mortalidade infantil esteja na ordem dos 4,6%.

O mesmo parece acontecer na Guiné-Bissau onde, apesar de não se ter conseguido reunir todos os dados para calcular o GHI do país devido à pandemia de Covid-19, a situação está classificada como séria. A informação relativa à percentagem de subnutrição na população de Guiné-Bissau não foi revelada. Estima-se que a mortalidade infantil esteja nos 8,1%.

Angola e Moçambique mostraram alguns progressos em relação a 2000. Ainda assim, em ambos os países lusófonos a situação é considerada séria quando era extremamente alarmante no passado. Estima-se que, em Angola, 18,6% da população seja subnutrida e que a mortalidade infantil esteja no 7,7%. Já em Moçambique estima-se que 32,6% da população esteja subnutrida e a mortalidade infantil encontra-se nos 7,3%.

Melhorias significativas apresentaram o Brasil e a China nos últimos 20 anos. Hoje, em ambos os gigantes, a fome é considerada baixa, embora, no caso do país da América do Sul exista uma grande parte da população a viver em condições de pobreza consideradas preocupantes. No Brasil, 2,5% da população é subnutrida e a taxa de mortalidade infantil é de 1,4%. A China, por seu turno, menos de 2,5% da popução é subnutrida, sendo que a mortalidade infantil se situa na ordem dos 0,9%. O pior desempenho do país está no crescimento das crianças onde 5,5% apresentam um desenvolvimento inadequado.

Portugal, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde não estão contemplados no índice apresentado esta semana.

Pandemia de Covid-19

Em muitas áreas o progresso tem sido lento e a fome continua a preocupar. É importante entender que o impacto da Covid-19 não foi contemplado neste estudo, e a pandemia apenas regrediu o progresso que havia sido concretizado até agora.

As medidas tomadas em todo o mundo para conter a propagação da Covid-19 aumentaram a insegurança alimentar. Os entraves no acesso aos campos e mercados em algumas regiões criaram picos localizados nos preços dos alimentos e reduziram as oportunidades de capitalização, limitando a capacidade das populações mais vulneráveis ​​de comprar alimentos.

A pandemia também está a afetar a nutrição – por exemplo, escolas foram fechadas em vários pontos durante 2020, impedindo o acesso a refeições nutritivas para várias crianças que dependiam desse apoio. Além disso, dadas as conexões estabelecidas entre o crescimento do produto interno bruto (PIB) e a segurança alimentar – e, inversamente, a contração do PIB e a insegurança alimentar – a recessão económica global resultante da pandemia pode deixar até 80 milhões de pessoas subnutridas apenas nos países importadores de alimentos.

Para cada ponto percentual de queda no PIB global, estima-se que 700.000 crianças adicionais sofram de baixa estatura, um sintoma de desnutrição crónica. A contração económica associada à pandemia pode aumentar em 6,7 milhões o número de crianças que sofrem de definhamento, indicando desnutrição aguda, em países de baixa e média renda. Quase 130.000 mortes infantis adicionais associadas a este aumento na perda de crianças e reduções induzidas por pandemia em nutrição e serviços de saúde também podem ocorrer.

Índice de Fome Mundial classificado de 0 a 100, sendo que 0 é a melhor pontuação possível (sem fome) e 100 é a pior

Quais são os indicadores?

O GHI compilado pela Welthungerhilfe e Concern Worldwide é um dos principais relatórios internacionais para a medição multidimensional da fome no mundo. A décima quinta edição foi apresentada esta segunda-feira. O GHI é um instrumento desenvolvido para medir e monitorizar a fome em nível global, regional e nacional, com base na análise de quatro indicadores: desnutrição, emagrecimento infantil, atraso do crescimento infantil e mortalidade de crianças com menos de cinco anos. Com base nos valores dos quatro indicadores, o GHI determina a fome numa escala de 100 pontos, onde 0 é a melhor pontuação possível (sem fome) e 100 é a pior. A pontuação GHI de cada país é classificada por gravidade: de baixa a extremamente alarmante.

O índice deste ano revela que, a nível global, a fome está num nível moderado, comparativamente a vinte anos atrás, mas a fome e a subnutrição ainda são elevadas em muitos países: 11 países têm níveis “alarmantes” de fome e cerca de 40 países pertencem à categoria “grave”. De acordo com as agências das Nações Unidas, quase 700 milhões de pessoas estão subnutridas, das quais 144 milhões são crianças que sofrem de atraso no crescimento e 47 milhões de emagrecimento.

O sul asiático e a África subsariana são as regiões com os níveis mais elevados de fome, com 230 e 255 milhões de pessoas subnutridas, respectivamente. Nestas áreas, uma em cada três crianças sofre de atraso no crescimento. A África subsariana tem a taxa de mortalidade infantil mais elevada no mundo, enquanto o sul asiático tem a taxa de subnutrição infantil mais elevada do mundo. Os 11 países onde o nível de fome é alarmante são a República do Chade, Timor-Leste, Madagáscar, Burundi, União das Comores, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Síria, Somália, Sudão do Sul e Iémen.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
ChinaPolítica

MNE acusa relatório do CCEC de “enganar o público”

MundoSociedade

África Austral: Insegurança alimentar afeta mais de 51 milhões de pessoas

Brasil

PMA faz apelo urgente por situação de fome na América Central

MoçambiqueSociedade

Moçambique mais do que duplicou uso de contraceção desde 2012

Assine nossa Newsletter