Guedes considera "inaceitável" taxar o trabalho, mas, para já, prefere "esse imposto de merda" - Plataforma Media

Guedes considera “inaceitável” taxar o trabalho, mas, para já, prefere “esse imposto de merda”

O ministro da EconomiaPaulo Guedes, disse nesta sexta-feira, 16, que não desistiu de criar um imposto sobre transações para desonerar a folha de pagamento e tentar incentivar a geração de empregos. Segundo o ministro, enquanto não houver uma solução melhor, ele prefere “esse imposto de merda”.

“Estamos subsidiando capital e taxando o trabalho. É inaceitável. Então, enquanto as pessoas não vierem com uma solução melhor, eu prefiro a segunda melhor, que é esse imposto de merda”, afirmou Guedes em live em inglês promovida pela XP Investimentos.

O ministro, porém, nega qualquer semelhança com a antiga CPMF, tributo que era cobrado sobre transações financeiras e que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde. A alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação. “Não é CPMF de jeito nenhum. É digital”, afirmou.

Leia mais em IstoÉ.

Artigos relacionados
BrasilEconomia

Guedes diz que mais de 30 milhões podem ter auxílio emergencial em 2021

BrasilEconomia

Equipa de Paulo Guedes quer novo programa social dentro do teto de gastos

BrasilCultura

Governo Bolsonaro critica reedição de Monteiro Lobato que suprime trechos racistas

BrasilEconomia

Brasil pode fechar ano perdendo menos empregos que em 2015 e 2016

Assine nossa Newsletter