Universidade de Macau doa protótipos de ventiladores a Angola e Moçambique

Universidade de Macau doa protótipos de ventiladores a Angola e Moçambique

A Universidade de Macau (UM) vai doar dois protótipos de ventiladores desenvolvidos pela instituição a Angola e Moçambique, e formar equipas naqueles países para poderem fabricar novos equipamentos, disse hoje à Lusa o vice-reitor da UM.

Os protótipos foram desenvolvidos pela UM, em colaboração com o Instituto para o Desenvolvimento e Qualidade de Macau, “com base na tecnologia existente”, e representam uma grande poupança de custos, referiu Rui Martins.

“São bastante mais baratos que o normal, dez por cento ou menos do preço, e estão prontos a utilizar no hospital por doentes que necessitem deles”, precisou o vice-reitor da Universidade de Macau.

Rui Martins garantiu que os protótipos são “de baixo preço, mas de alta qualidade”, tendo sido certificados por equipas médicas no território.

Em paralelo, a Universidade de Macau vai também “fazer formação a engenheiros e médicos [daqueles países] para o desenvolvimento de novos protótipos em Angola e Moçambique”.

“Além da doação, é também uma transferência de tecnologia para estes dois países”, sublinhou Rui Martins, considerando que a iniciativa mostra a vontade de ajudar de Macau, um território que registou apenas 46 casos de covid-19 desde o início da pandemia, no final de janeiro, não tendo atualmente nenhum caso ativo.

“Macau já há bastantes meses que não tem nenhum caso, e espero que se mantenha assim no futuro, e temos esta oportunidade de ajudar estes dois países, com duas universidades que são nossas parceiras”, referiu o vice-reitor.

Os protótipos vão ser entregues à Universidade Pedagógica de Maputo, em Moçambique, e à Universidade Mandume ya Ndemufayo, no Lubango, em Angola, com a qual a UM tem protocolos de cooperação, no âmbito da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), durante uma cerimónia na sexta-feira com representantes dos dois países.

O cônsul-geral de Moçambique em Macau, Rafael Marques, disse à Lusa que a doação “vai ser uma grande mais-valia para apoiar as autoridades sanitárias” e “ajudar a salvar vidas”, apontando que, embora a situação do país não seja para já “alarmante”, continuam a surgir novas infeções.

Moçambique é atualmente o país lusófono em África com o maior número de casos positivos, tendo registado 12.273 infeções de covid-19 desde o início da pandemia e 89 mortes, seguindo-se Angola, que lidera em número de mortos, com 9.871 infetados e 271 óbitos.

O cônsul-geral de Angola em Macau, Eduardo Galiano, congratulou-se com a oferta, afirmando que a formação prevista vai também “ajudar os técnicos [angolanos] a manusear os equipamentos que o Governo está a adquirir à China”.

Angola decretou na semana passada o estado de calamidade pública e reforçou as medidas de combate à pandemia.

A Universidade de Macau recebe anualmente entre 70 e 100 alunos dos países de língua portuguesa, incluindo de Angola e Moçambique, tanto em licenciaturas como em mestrados e doutoramentos, de acordo com o vice-reitor.

Artigos relacionados
EconomiaMacau

Macau perdeu 11800 trabalhadores não residentes desde o início da pandemia

EconomiaLusofonia

"Fórum de Macau não apresenta resultados", aponta embaixador de Portugal em Pequim

Sociedade

Macau vai fornecer 100 quilos de máscaras todos os meses para Portugal

MacauPlataforma Sabores

10 iguarias de Macau

Assine nossa Newsletter