Hackers "Robin Hood": roubam às multinacionais para dar aos pobres - Plataforma Media

Hackers “Robin Hood”: roubam às multinacionais para dar aos pobres

O modus operandi consiste em bloquear as redes de computadores das empresas e doar o dinheiro arrecadado para instituições de caridade. Objetivo: “tornar o mundo um lugar melhor”

Roubar aos ricos para dar aos pobres é um cliché que há séculos acompanha a figura romântica do bom ladrão. Um conceito que tem o seu expoente máximo no britânico Robin Hood ou Robin dos Bosques, que utilizou esse tipo de técnica contra os cobradores de impostos do xerife de Nottingham. Como escreve hoje o El Mundo, é uma figura que ainda está presente no imaginário popular e que encontrou a sua própria versão virtual: hackers que roubam às grandes empresas para fazer doações anónimas a organizações que apoiam os mais necessitados nos países mais pobres.

Seguindo a linha de Robin Hood, um grupo de hackers conhecido como DarkSide INC dedica-se a atacar os servidores de grandes empresas, com ataques “ransomware” que permitem “pescar” dados confidenciais de contas. Parte do dinheiro que roubam às multinacionais é para “tornar o mundo um lugar melhor”, dizem, através de donativos a organizações que realizam atividades de caridade em países em desenvolvimento.

Num post num blogue da “dark net”, o grupo de hackers Darkside publicou recibos no valor de US $ 10.000 (cerca de 8.500 euros) que confirmam os suas donativos para organizações não governamentais, segundo o El Mundo. Especificamente, para a Children International, que apoia crianças, famílias e comunidades na África, Ásia e Américas; e para o The Water Project, que trabalha para melhorar o acesso à água potável na África Subsaariana, de acordo com a Europa Press.

Mas as alegadas nobres intenções dos hackers não convencem as próprias ONG que querem ajudar. Após a publicação dos recibos no blog Darkside alojado na Deep Web, a Children International garantiu à BBC a sua intenção de devolver o dinheiro enviado anonimamente por hackers: “Se o donativo estiver vinculado a um hacker , não temos intenção de ficar com ele. Ou seja, se “foram feitos com recurso a fundos roubados, devolveremos o dinheiro ao legítimo proprietário”.

Nas suas publicações, o DarkSide inclui uma espécie de manifesto onde garante que as suas operações criminosas visam apenas “grandes empresas” e que, quando estas pagam para libertar os dados sequestrados por eles, “é essa a parte do dinheiro que vai para a caridade”.

Related posts
MundoSociedade

Agentes da inteligência militar russa acusados nos EUA por ataques cibernéticos

MundoSociedade

Hackers divulgam dados de 2.000 policiais mascarados na Belarus

AngolaSociedade

Sites de notícias angolanos estão com avarias há uma semana por falhas nos servidores

MundoSociedade

Piratas informáticos chineses atacaram agências governamentais de Taiwan

Assine nossa Newsletter