Movimento guineense exige responsabilização dos homicidas de Nino Vieira - Plataforma Media

Movimento guineense exige responsabilização dos homicidas de Nino Vieira

A trasladação dos restos mortais do antigo presidente, proposta por Umaro Sissoco Embalo, ocorrerá no próximo dia 16 de novembro

O movimento “Nino Ka Murri”, criado pela sociedade civil, exige a responsabilização dos autores morais e materiais do homicídio do antigo chefe de Estado da Guiné-Bissau João Bernardo Vieira, mais conhecido como Nino Vieira, avança o portal noticioso Voa Português.

A iniciativa surge numa altura em que os restos mortais de Nino Vieira serão transladados para o Mausoléu de Amura, em Bissau, no próximo dia 16 de novembro. A trasladação foi sugerida pelo atual presidente guineense, Umaro Sissoco Embalo.

O coordenador do movimento, Justino Sá, explica por que defende a responsabilização. “O assassinato de Nino Vieira é uma imagem nebulosa que está a pairar os guineenses; não é normal aquilo que aconteceu; vai permanecer na mente de toda gente, se não for feita justiça”.

Também Vailton Pereira Barreto, advogado conhecido por defender Domingos Simões Pereira, candidato dado como derrotado nas presidenciais da Guiné-Bissau, lembrou que “a justiça irá depender da vontade dos homens”.

O causídico recorda que “após a investigação ter sido concluída, não houve mais andamento do processo e não foi deduzida acusação, apesar de todos saberem (…) que existe matéria suficiente para se fazer justiça”.

Nino Vieira foi assassinado a 2 março de 2009, na sua residência em Bissau.

Artigos relacionados
Guiné-BissauPolítica

Presidente do Congo em Bissau para homenagear Amílcar Cabral e ‘Nino’ Vieira

Guiné-BissauSociedade

Restos mortais de “Nino” Vieira vão para a fortaleza da Amura

Assine nossa Newsletter