EUA sanciona empresas chinesas e russas por apoiarem plano nuclear iraniano

EUA sanciona empresas chinesas e russas por apoiarem plano nuclear iraniano

O chefe da diplomacia americana anunciou nesta sexta-feira (27) a imposição de sanções económicas contra quatro empresas chinesas e russas, acusadas de terem apoiado o desenvolvimento do programa nuclear iraniano.

“Os Estados Unidos sancionaram quatro empresas da Rússia e da China por apoiarem o programa nuclear do Irão”, tuitou o secretário de Estado americano, Mike Pompeo. 

As sanções de Washington são contra duas empresas com sede na China, Chengdu Best New Materials e Zibo Elim Trade, e outras duas baseadas na Rússia, o Nilco Group e a Joint Stock Company Elecon. 

Acusadas de “fornecer tecnologia e equipamentos avançados para o programa de mísseis nucleares do Irão”, as companhias enfrentarão restrições à ajuda do governo americano e às suas exportações durante dois anos, disse o Departamento de Estado em comunicado. 

“Continuaremos a utilizar todas as sanções à nossa disposição para evitar que o Irão aumente a sua capacidade nuclear”, enfatizou Pompeo. 

O presidente americano, Donald Trump, retirou em 2018 o seu país do acordo internacional assinado três anos antes com o Irão para evitar que adquirisse armas nucleares, por considerar que era insuficiente.

Imediatamente restabeleceu e depois endureceu todas as sanções americanas contra a República Islâmica em nome de uma política de “pressão máxima”. 

Desde então, os Estados Unidos decidiram sancionar qualquer país ou empresa estrangeira que descumprir suas medidas contra Teerão.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPolítica

Chefes do Pentágono de Trump indiciados pela reação lenta ao ataque ao Capitólio

Mundo

Câmara Baixa dos EUA antecipa fim da sessão face a alerta de ataque ao Capitólio

MundoPolítica

UE vai apresentar resolução contra o Irão na AIEA

MundoPolítica

Governador de Nova York acusado de assédio sexual por segunda mulher

Assine nossa Newsletter