ONU reconhece potencial terapêutico e retira canábis da lista de drogas mais perigosas - Plataforma Media

ONU reconhece potencial terapêutico e retira canábis da lista de drogas mais perigosas

A Comissão das Nações Unidas sobre Estupefacientes (CND) aceitou esta, quarta-feira, a recomendação 5.1 da Organização Mundial da Saúde (OMS) para remover a canábis e a resina de canábis do Anexo IV da Convenção Única de 1961 sobre Drogas e Narcóticos. Brasil votou contra.

Esta decisão reclassifica a canábis e a resina derivada da mesma num patamar que inclui substâncias consideradas menos perigosas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A votação foi a primeira da sessão e aquela onde a diferença entre votos a favor e contra foi menor. A apertada votação contou com 27 votos a favor, uma abstenção e 25 votos contra de todos os 53 participantes.

A recomendação era amplamente aguardada pela indústria e é considerada uma vitória, por reconhecer o valor medicinal da canábis e a resina de canábis na leitura das convenções e por permitir a realização de investigação científica.

Na prática, a decisão não retira nem a necessidade de cada país estabelecer controlo e limites à proliferação da droga, nem o poder de mudar as políticas adotadas por cada nação relativamente ao uso da canábis e seus derivados.

No entanto, é um grande marco, dado que deixa de ocupar uma lista de substâncias “particularmente suscetíveis a abusos e à produção de efeitos danosos” e “sem capacidade de produzir vantagens terapêuticas”.

A canábis estava posicionada ao lado de substâncias como a heroína. Agora, fica posicionada ao lado da morfina, que a ONU recomenda igualmente o controlo do uso e abuso, mas admite ter potencial menos perigoso ou danoso.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoSociedade

Migrantes pelo mundo chegam aos 281 milhões

MundoPolítica

Tratado da ONU sobre Proibição de Armas Nucleares entra em vigor

Brasil

Brasil liderará tema de transição energética em diálogo das Nações Unidas

MundoPolítica

OMS África critica acumulação de vacinas nos países ricos

Assine nossa Newsletter