Irão condena investigador britânico-iraniano a nove anos de prisão - Plataforma Media

Irão condena investigador britânico-iraniano a nove anos de prisão

O governo iraniano condenou o investigador britânico-iraniano Kameel Ahmady a nove anos de prisão e a uma multa de cerca de 700 mil euros por promover a homossexualidade, anunciou ontem a agência noticiosa Tasnim.

De acordo com a mesma agência semi-oficial, o Tribunal Revolucionário iraniano acusou o investigador de cooperação com as embaixadas europeias no apoio e promoção da homossexualidade e de visitar Israel como repórter para a estação da BBC.

Também foi acusado de cooperação e comunicação com “meios de comunicação social estrangeiros hostis”, tentativas de infiltração para mudar a lei do país e enviar falsa informação para o representante da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os Direitos Humanos no Irão.

A acusação indicou que Ahmady tem o direito de recorrer da decisão nos próximos 20 dias.

Em outubro de 2019, o Irão admitiu ter detido o investigador por suspeita de ligações a institutos afiliados com serviços de informação estrangeiros.

A mulher de Ahmady, Shafagh Rahmani, e vários ativistas, anunciaram que foi detido em agosto daquele ano, ao mesmo tempo que uma organização com base em Nova Iorque, num relatório sobre Direitos Humanos no Irão, revelava que o trabalho do investigador estava a ser desenvolvido em áreas “politicamente sensíveis, como o casamento infantil, condição LGBT e mutilação genital feminina”.

Foi libertado em novembro de 2019, sob caução, desconhecendo-se se permanecia em liberdade.

Viajar para Israel e a homossexualidade são ilegais no Irão e os transgressores podem ser condenados a cinco anos de prisão no primeiro caso, ou a pena de morte se tiverem relações sexuais com alguém do mesmo sexo, mas nos últimos anos não há registo de casos.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MundoPolítica

UE vai apresentar resolução contra o Irão na AIEA

MundoPolítica

Pelo menos 17 combatentes pró-Irão mortos em ataque aéreo dos EUA na Síria

ChinaMundo

China diz que programa nuclear do Irão está num “ponto crítico”

BrasilCultura

Elite do cinema mundial apoia cineasta e ativista iraniana presa no Brasil

Assine nossa Newsletter