Macau nega obrigar escolas a dar aulas em mandarim - Plataforma Media

Macau nega obrigar escolas a dar aulas em mandarim

A DSEJ diz que as escolas têm autonomia para escolher a língua de ensino, e que nunca foi obrigatório que as aulas fossem dadas em mandarim.

O organismo defende que as exigências académicas passam pela “necessidade de equilíbrio” com o cantonense – que se diz ter “grande riqueza cultural”.

Em resposta a uma interpelação escrita por Sulu Sou, a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) nega que alguma vez tenha obrigado escolas a ensinar em mandarim. “A DSEJ nunca obrigou escolas a ministrarem o ensino da disciplina de Chinês, em mandarim, nem lhes exigiu que ensinassem outras disciplinas em mandarim”, afirmou o director da DSEJ, Lou Pak Sang.

Em resposta, o director da DSEJ explica que as exigências de competências académicas destacam a “necessidade do equilíbrio entre o cantonense e o mandarim”, passando os objectivos curriculares pelo uso fluente do cantonense e utilização do mandarim para comunicação básica.

Leia mais em Hoje Macau

Este artigo está disponível em: English

Related posts
ChinaMacau

Política da Juventude em Macau: DSEJ troca pensamento crítico por “prudente”

MacauSociedade

Ensino: Governo prepara cortes no orçamento do próximo ano

MacauSociedade

Necessidades especiais para crianças especiais

Assine nossa Newsletter