Um milhão de crianças em Luanda sofre de mal nutrição - Plataforma Media

Um milhão de crianças em Luanda sofre de mal nutrição

Projeto de nutrição da ONU vai apoiar as autoridades em Luanda em ações de prevenção e tratamento; indivíduos e famílias afetados pela covid-19 serão beneficiados pelo programa. 

O Programa Mundial de Alimentos e o Governo de Angola lançaram uma parceria para apoiar um milhão de crianças na capital do país, Luanda. A ação visa atender crianças sofrendo de mal nutrição em comunidades afetadas pela Covid-19.   

Em comunicado, a diretora do Departamento de Saúde Pública de Luanda, Catarina Oatanha, disse que a colaboração com a ONU deve fortalecer o sistema nacional para responder rapidamente a crianças carentes.    

Crescimento   

A desnutrição é uma das maiores causas de morte de crianças menores de cinco anos. Pelo projeto, o PMA realizará treinamentos para agentes de saúde, que farão a avaliação nutricional em mais de 1,1 milhão de menores.

A agência da ONU também fornecerá suplementos altamente nutritivos para serem distribuídos pelas autoridades da província de Luanda a pelo menos 37 mil crianças, com menos de cinco, que estão subnutridas.   

Representando o PMA em Angola, Michele Mussoni, disse que a má nutrição aguda afeta a todos na comunidade, mas bebês e crianças são os que mais sofrem por precisarem da nutrição para o crescimento e o desenvolvimento.   

Amamentação 

Com a pandemia, a principal fonte de sustento das famílias deixou de existir agravando a situação.   

A parceria do PMA com autoridades em Luanda também deve ajudar a melhorar habilidades e conhecimentos de famílias, cuidadores e sobre amamentação, higiene, nutrição e formas de prevenção da Covid-19.   

O programa tem o apoio do Banco Mundial e abrange merenda escolar e avaliação sobre nutrição e segurança alimentar. 

Related posts
Política

ONU preocupada com destino da princesa Latifa, filha do soberano de Dubai

Angola

Petrolífera ENI vai investir sete mil milhões de dólares em Angola

Sociedade

Pandemia na infância. "Os abusos domésticos e online aumentaram para proporções alarmantes"

AngolaSociedade

Cientistas sul-africanos encontram variante "mais transmissível" em Angola

Assine nossa Newsletter