"Toda a gente sabia." O escândalo de incesto que abala a elite francesa - Plataforma Media

“Toda a gente sabia.” O escândalo de incesto que abala a elite francesa

A enteada de Olivier Duhamel revela num livro como o famoso cientista político começou a abusar do irmão gémeo quando tinham apenas 13 anos e o código de silêncio que rodeou o caso.

O acusado é o famoso cientista político, constitucionalista e antigo eurodeputado socialista Olivier Duhamel, que já se demitiu do prestigioso cargo de presidente da Fundação Nacional de Ciências Políticas. Quem o acusa é a enteada, Camille Kouchner, que num livro revela que ele começou a abusar em 1988 do seu irmão gémeo, então com 13 anos. Ambos são filhos de Bernard Kouchner, ex-chefe da diplomacia e cofundador dos Médicos Sem Fronteiras, e de Évelyne Pisier, ícone feminista, antiga amante de Fidel Castro e professora de Ciência Política falecida em 2017, que ao ouvir as denúncias terá optado pelo silêncio. E não terá sido a única. São estes os atores do escândalo que está a abalar a elite da esquerda francesa.

“Eu não revelo nada neste livro, toda a gente sabia, incluindo os amigos da família”, escreveu Camille em La Familia Grande, cujos primeiros excertos foram revelados na última segunda-feira pelo Le Monde e que chegou às livrarias na quinta-feira. Logo na terça-feira, os procuradores de Paris abriram uma investigação preliminar por “violação e agressão sexual” contra Duhamel, que na véspera se tinha demitido da fundação que gere o Instituto de Estudos Políticos de Paris (conhecido como Sciences Po), mas também dos vários media onde era comentador. “Por ser objeto de ataques pessoais e desejoso de preservar as instituições em que trabalho, ponho fim às minhas funções”, escreveu no Twitter, na conta pessoal, entretanto apagada.

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
ChinaMundo

Presidentes da França e China conversam sobre economia e Mianmar mas não citam uigures

CulturaMundo

Teatro de Maria Antonieta aproveita confinamento para obras

MundoPolítica

Jihadista que teve asilo em Portugal condenado a 30 anos de prisão em França

BrasilPolítica

Brasil e França devem ser "amigos" após conflito com Macron

Assine nossa Newsletter