Uso de águas reutilizadas vai crescer nos próximos anos

Uso de águas reutilizadas vai crescer nos próximos anos

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China definiu que o país vai começar a tirar maior partido do sistema de reutilização de águas no futuro próximo

Até 2025 será melhorado o processo de recolha de águas residuais, a capacidade de tratamento de águas de cada concelho e cidade dará resposta às necessidades básicas locais e será ainda melhorado o processo de tratamento de águas em áreas mais sensíveis.

Espera-se assim que a taxa de uso de águas reutilizadas em cidades com escassez de água a nível nacional seja superior a 25 por cento, e suba para 35 por cento nas regiões de Pequim, Tianjin e Hebei.

Segundo as “Diretrizes para a Promoção do Uso de Recursos de Esgotos” publicadas pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma e outras 10 instituições públicas, até 2025 a reutilização de águas industriais e de recursos como dejetos animais e águas de aquicultura será aumentada. Já foi criado um sistema político e um mecanismo de mercado para possibilitar a utilização destes recursos. Até 2035, será formado um modelo sistemático, seguro, ecológico e económico de reutilização de recursos de esgotos.

A utilização destes recursos significa que as águas sofrem um tratamento para atingir um nível de qualidade específico e são usadas de forma diferente das convencionais, como por exemplo para produção industrial, usos variados por municípios ou complexos residenciais, para reposição de águas em locais afetados, para irrigação agrícola e recarga de aquíferos, aproveitando vários dos recursos dos esgotos.

É importante otimizar a estrutura do fornecimento de águas, aumentando o número de recursos, aliviando a discrepância entre oferta e procura, reduzindo a poluição aquática e garantindo a segurança ecológica.

No ano de 2019, a descarga de águas residuais urbanas na China chegou a 75 mil milhões metros cúbicos, porém o consumo de águas reutilizadas não chegou a 10 mil milhões de metros cúbicos, havendo ainda grande potencial de utilização.

As diretrizes apontam que os esforços de promoção destas águas devem ser continuados em áreas-chave. Será acelerado o uso de águas de esgoto urbano, organizada uma otimização e controlo de poluição específicos para cada região, promovida a reciclagem e reutilização de recursos de esgotos locais, promovido o uso destas águas para fins industriais, municipais e reposição de águas. Será ainda promovido ativamente o uso de águas residuais industriais, a reciclagem destas águas entre empresas, a otimização e integração de um sistema de águas entre si, e uma melhor construção de estações de tratamento de águas em zonas industriais.

Também continuará a ser promovido o uso de resíduos agrícolas e rurais, explorando novas tecnologias e formas de tratamento dos mesmos a baixo custo e de forma acessível às regiões não-urbanas. Irá igualmente procurar promover a unificação de agricultura e cultivo e de produção animal e do tratamento de resíduos, e incentivar ainda à reciclagem de águas de aquicultura.

Segundo as diretrizes sobre a distribuição e execução destes projetos de construção de centrais de recolha e reutilização de águas de esgotos, águas residuais industriais, uso e tratamento de águas residuais agrícolas, projetos científicos inovadores sem resíduos de água e outros testes e demonstrações para o uso das mesmas, é proposto que seja melhorado o sistema de utilização de águas residuais em cinco aspetos: aperfeiçoando as leis e regulamentações relacionadas, construindo um sistema político auxiliar, melhorando o mecanismo de definição de preços desta indústria, aperfeiçoando as políticas financeiras relacionadas e fortalecendo o apoio científico e tecnológico destes sistemas.

Artigos relacionados
MundoPolítica

UE/Presidência: Costa e Timmermans abrem hoje conferência sobre alterações climáticas

MoçambiqueSociedade

Encontrados mortos mais de 100 golfinhos na ilha de Bazaruto

Mundo

Glaciares da Antártida ocidental estão a acelerar deslizamento

MundoPolítica

Ruptura ameaça todas as nações

Assine nossa Newsletter