CPJ defende que Moçambique reveja expulsão de Tom Bowker - Plataforma Media

CPJ defende que Moçambique reveja expulsão de Tom Bowker

O Comité para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) defendeu ontem, em comunicado, que Moçambique deve rever a decisão de expulsar o jornalista Tom Bowker e permitir-lhe trabalhar livremente no país.

Os responsáveis da imigração moçambicanas forçaram esta terça-feira o jornalista britânico e cofundador e editor do ‘site’ Zitamar News a deixar Moçambique e proibiram-no de voltar ao país durante 10 anos.

Isto depois de uma disputa de meses com as autoridades de informação e imigração de Moçambique, que alegavam que não tinha a documentação correta para trabalhar no país, de acordo com reportagens publicadas na imprensa e nas redes sociais.

Na rede social Twitter, o jornalista disse que a expulsão teve “motivação política”.

O Zitamar News faz a cobertura de assuntos de economia, política e direitos humanos no país, bem como sobre o conflito e a violência na província de Cabo Delgado.

“A expulsão de Moçambique e a proibição do jornalista Tom Bowker é uma mensagem arrepiante para a comunidade mediática do país”, disse a coordenadora do programa África do CPJ, Angela Quintal, citada no comunicado desta organização.

“Os jornalistas em Moçambique, especialmente os que cobrem o conflito em Cabo Delgado, foram presos, assediados, ou desapareceram”, frisou, antes de acrescentar que “a expulsão de Bowker é outro exemplo dos esforços do governo para controlar as reportagens em Moçambique”.

Em janeiro, as autoridades de imigração disseram verbalmente a Bowker que tinha de abandonar o país, mas o jornalista nunca recebeu nenhuma diretiva escrita para o fazer até ao dia 02 de fevereiro, disse um indivíduo com conhecimento do caso, que falou com o CPJ, sob anonimato, segundo aquela entidade.

Essa diretiva foi dada verbalmente, por duas vezes, nos dias seguintes, adiantou a mesma pessoa ao CPJ.

“Quando o CPJ telefonou a Emília Moiane, a diretora do Gabinete de Informação do Governo, que facilita os registos mediáticos no país, esta disse que a decisão de expulsar Bowker não partiu do seu gabinete, e encaminhou o CPJ para a autoridade de imigração. O CPJ ligou para o Ministério do Interior de Moçambique, que supervisiona os serviços de imigração do país, mas ninguém respondeu”, refere ainda o comunicado.

Em abril de 2020, o CPJ e outros 16 grupos da sociedade civil escreveram ao Presidente de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi, para expressar a sua preocupação com a situação dos direitos humanos no país, incluindo o desaparecimento forçado do jornalista de rádio Ibraimo Abú Mbaruco.

“Mbaruco foi ouvido pela última vez, no início daquele mês, quando enviou uma mensagem de texto a um colega dizendo que estava “cercado por soldados”, o que foi documentado pelo CPJ na altura, relembra.

Related posts
Moçambique

Desaparecimento de jornalista ruandês em Maputo ressuscita fantasma do passado

MoçambiqueSociedade

Moçambique inaugura hoje expansão da rede de água da região de Maputo

MoçambiqueSociedade

Advogados moçambicanos denunciam detenções abusivas da polícia

MoçambiqueMundo

Jornalista britânico Tom Bowker foi hoje expulso de Moçambique

Assine nossa Newsletter