Biden faz rutura com políticas de Trump enquanto o G7 enfrenta o clima e a pandemia de Covid-19 - Plataforma Media

Biden faz rutura com políticas de Trump enquanto o G7 enfrenta o clima e a pandemia de Covid-19

Joe Biden fará a sua estreia presidencial no palco mundial esta sexta-feira, numa altura em que os parceiros americanos do G7 redirecionam o seu peso coletivo para a recuperação da pandemia e para as mudanças climáticas, procurando virar a página da era Trump.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, presidente do G7 este ano, espera receber os líderes do grupo na Grã-Bretanha, em junho. Boris prevê, através de conversas virtuais, estimular o desenvolvimento de novas vacinas em apenas 100 dias.

Isso representaria uma diminuição dramática nos 300 dias ímpares que eram necessários para fazer vacinas contra o coronavírus – em si uma conquista alucinante.

Após a reunião, Biden, Johnson e os líderes da União Europeia no G7 irão integrar outro encontro online – a Conferência de Segurança de Munique – para discutir a “renovação da cooperação transatlântica”.

Biden vai tornar-se no primeiro presidente dos Estados Unidos a discursar na reunião de Munique, destacando uma mudança decisiva na cooperação, que foi praticamente rompida com o seu predecessor, Donald Trump.

Desde que assumiu o cargo no mês passado, o democrata comprometeu novamente os Estados Unidos com a ação climática e com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No entanto, manteve uma perspectiva trumpiana – desconfiar da China.

‘Nunca mais’

Pequim não faz parte do G7 – que inclui Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e os Estados Unidos – e Washington está a reposicionar as democracias mais desenvolvidas como um contrapeso à China, relativamente à desconfiança de seu tratamento inicial com Covid-19.

Enquanto isso, a Grã-Bretanha quer que o G7 apoie uma proposta de tratado de pandemia para aumentar o alerta precoce e a transparência dos dados em caso de surtos futuros.

Londres nega ter a China em mira, mas a potência asiática tem sido amplamente acusada de encobrir o surgimento do vírus no final de 2019 e privar a OMS de informações precoces vitais.

Johnson também usará o G7 para pressionar a OMS e cientistas internacionais a trabalhar no plano de distribuição de 100 dias para novas vacinas e tratamentos.

“O desenvolvimento de vacinas viáveis ​​contra o coronavírus oferece a perspectiva tentadora de um retorno à normalidade, mas não devemos descansar sobre os louros. Como líderes do G7, devemos dizer hoje ‘nunca mais'”, disse o primeiro-ministro antes da cúpula.

“Aproveitando a nossa engenhosidade coletiva, podemos garantir que temos as vacinas, tratamentos e testes prontos para a batalha contra futuras ameaças à saúde, à medida que derrotamos a Covid-19 e reconstruímos melhor juntos.”

Tanto Johnson como o presidente francês Emmanuel Macron pretendem também angariar apoio do G7 para facilitar a distribuição de vacinas para países mais pobres, especialmente na África, por exemplo, doando mais dinheiro para o programa Covax da ONU.

“Devemos responder a essa desigualdade gritante”, disse Macron numa reunião com líderes africanos na quarta-feira.

Na quinta-feira, funcionários da Casa Branca disseram que Biden iria prometer US $ 4 mil milhões em ajuda dos EUA à Covax durante o seu encontro virtual com outros líderes do G7 na sexta-feira.

Crise climática

Agora que as campanhas de vacinação estão a ganhar velocidade, pelo menos no Ocidente, os líderes do G7 também esperam olhar além da pandemia, em especial, para a recuperação financeira, depois dos bloqueios devastarem muitas economias.

Biden, que partilha com Johnson a ideia de “reconstruir melhor”, vai sublinhar aos aliados do G7 a sua intenção de construir uma economia mais inclusiva, que beneficie “todos os trabalhadores”, incluindo mulheres e minorias.

“O presidente Biden também irá discutir a necessidade de fazer investimentos para fortalecer a nossa competitividade coletiva e a importância de atualizar as regras globais para enfrentar os desafios económicos como os impostos pela China”, disse a Casa Branca.

Regras atualizadas também estão em debate entre os ministros das finanças do G7 para harmonizar a tributação de gigantes digitais internacionais, como Google e Facebook, que desfrutaram de uma excelente pandemia em termos de lucros.

E os líderes vão reforçar as recentes declarações dos seus chanceleres condenando o golpe de 1º de fevereiro em Mianmar, que provocou sanções dos EUA, Grã-Bretanha e Canadá.

Além disso, Biden vai promover “uma agenda robusta de medidas para enfrentar a crise climática global”, enquanto a Grã-Bretanha se prepara para sediar a próxima cúpula do clima da ONU, a COP26, na cidade escocesa de Glasgow, em novembro.

Antes disso, Johnson espera convocar a primeira cúpula do G7 em pessoa em quase dois anos, de 11 a 13 de junho, num pitoresco resort em Cornwall, no sudoeste de Inglaterra.

O evento será construído em direção a uma reunião do G20 incluindo Brasil, China, Índia e Rússia no final de outubro em Roma, pouco antes da COP26, que é considerada a última oportunidade para os líderes mundiais evitarem o aquecimento global descontrolado.

Related posts
MundoPolítica

Biden anunciará medidas contra violência por armas de fogo nos EUA

Política

Dois polícias processam Trump por ataque ao Capitólio em janeiro

SociedadeTimor-Leste

EUA consideram violência contra mulheres e crianças "problema sério" em Timor-Leste

ChinaMundo

Vinte aviões rondaram espaço aéreo de Taiwan após acordo com EUA

Assine nossa Newsletter