Governo português defende “relação madura” com a China, apesar de “rivalidade sistémica”

Governo português defende “relação madura” com a China, apesar de “rivalidade sistémica”

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu ontem a necessidade de manter uma “relação madura” com a China, um país “parceiro” em vários domínios, embora seja um “rival sistémico” da UE ao nível institucional

Augusto Santos Silva respondeu assim à deputada do PSD Isabel Meireles, que o questionava, em sessão plenária na Assembleia da República, sobre a conclusão das negociações da União Europeia (UE) com a China no final do ano passado. Para a deputada social-democrata, “a Europa não pode fazer vista grossa ao que se passa na China”, pois “foi na Europa que emergiu a ideia da tolerância e dos valores civilizacionais”, apontou.

“É certo que temos de respeitar a China, mas respeito não significa que a UE e esta presidência portuguesa do Conselho da UE tenham de ser indiferentes a assuntos incómodos”, defendeu Isabel Meireles, enumerando a título de exemplo a situação de Taiwan, a deterioração das liberdades políticas em Hong Kong, a repressão contra as minorias, o respeito pelo Tibete e expansionismo pacífico, “questões que são muito relevantes para Portugal”, frisou.

Augusto Santos Silva, por seu lado, reconheceu que “é verdade que empresas chinesas participaram com sucesso em processos de privatização conduzidos, não por este Governo, não pelo Governo anterior, nem por nenhum Governo” em que tenha participado.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
ChinaMundo

“Dilema” da China pende sobre relação Europa-Ásia, diz investigador

Sociedade

Esperança de vida recua em quase todos os Estados-membros em 2020. Em Portugal, o retrocesso foi de 8 meses

EconomiaMundo

Resposta económica da UE à crise ascende a pelo menos 3,7 biliões de euros

PolíticaPortugal

Portugal sem margem para perder o comboio da Europa

Assine nossa Newsletter