Biólogo americano considera respostas de missão da OMS "difíceis de engolir" - Plataforma Media

Biólogo americano considera respostas de missão da OMS “difíceis de engolir”

O biólogo norte-americano Bret Weinstein aponta, em entrevista à Lusa, “aspetos difíceis de engolir” às respostas da missão de peritos que se deslocou a Wuhan, China, para averiguar as origens da pandemia de covid-19.

Bret Weinstein, especialista em morcegos, biologia evolutiva e atualmente professor convidado na universidade norte-americana de Princeton, é um dos cientistas que defendem que deveria ter sido investigada desde o início da pandemia a possibilidade de ter tido origem num acidente laboratorial, exigência que ganha agora força nos meios académicos.

Falando sobre a missão, Weinstein aponta o que considera uma falha essencial: “A equipa da OMS disse especificamente que não estava mandatada para investigar no laboratório [do Instituto de Virologia de Wuhan] e que não estava equipada para o fazer”.

No Instituto de Virologia de Wuhan, cidade do centro da China onde foram detetados os primeiros casos de infeção, realiza-se um tipo de investigação designado por “ganho de função”, em que se aceleram capacidades de vírus recolhidos na natureza, aumentando a sua capacidade de se transferir entre espécies ou de contagiar mais facilmente.

Uma carta aberta subscrita por 24 cientistas internacionais divulgada na passada quinta-feira aponta como “essencial que todas as hipóteses sobre as origens da pandemia sejam examinadas e haja acesso total a todos os recursos sem olhar a sensibilidades políticas ou outras”.

Uma das hipóteses que defendem, a mesma que Weinstein e outros cientistas sustentam há vários meses que seja considerada é, na expressão usada na carta aberta, “um acidente relacionado com investigação” científica.

Essa hipótese foi descartada pela missão da OMS – constituída por especialistas de 10 países, incluindo EUA, Reino Unido, Alemanha e Rússia – numa conferência de imprensa em Wuhan, em fevereiro.

Contudo, o diretor-geral da OMS viria a retificar a situação, afirmando que “todas as hipóteses permaneciam em cima da mesa” para explicar a origem da pandemia, e anunciou que o relatório final seria divulgado em 15 de março.

Em vez disso, propuseram uma hipótese que Pequim também avançou, a de o vírus poder ter chegado a Wuhan em carne congelada de furões-texugo (animais próximos das doninhas que são criados e caçados para comer) oriunda da China ou noutro país asiático.

“Essa história é difícil de engolir, porque se há algo que podemos dizer é que não temos provas de transmissão de carne congelada a seres humanos”, sublinhou Bret Weinstein.

Segundo o biólogo, este vírus parece, sim, excelente a transmitir-se através de gotículas e partículas em aerossol.

“Portanto, esta história é, no mínimo, uma hipótese que precisa de provas e, no pior dos cenários, uma distração para nos impedir de investigar a possibilidade óbvia de este vírus estar em Wuhan porque estava presente no Instituto de Virologia”, argumenta.

Bret Weinstein salienta que “se a pandemia foi desencadeada por uma fuga laboratorial, parece evidente que se tratou de um erro honesto, um erro grave, mas que resultou de pessoas honradas a tentarem fazer um trabalho que acreditavam ser necessário”.

“Acho que nesta altura, este trabalho [em ganho de função] não devia estar a ser feito. É demasiado perigoso e é muito mais provável que desencadeemos uma pandemia do que a evitemos”, considera.

“Neste caso, a probabilidade é que o vírus tenha sido melhorado para conseguir infetar melhor tecidos humanos e transmitir-se entre indivíduos para poder ser um modelo de epidemia zoonótica”, admite.

Related posts
MundoSociedade

OMS critica lentidão 'inaceitável' da vacinação na Europa e Brasil enfrenta agravamento da crise

ChinaSociedade

"Vai demorar." OMS admite dificuldade em detetar origem do vírus

MundoSociedade

Covid-19: OMS divulga hoje oficialmente relatório sobre origem da pandemia

BrasilSociedade

Senado do Brasil pede ajuda internacional e alerta para risco que país representa

Assine nossa Newsletter