O lado escondido do vírus criou uma pobreza que não sabe pedir ajuda - Plataforma Media

O lado escondido do vírus criou uma pobreza que não sabe pedir ajuda

Trabalhadores a recibos verdes, classe média habituada a viajar, profissionais de artes e espetáculos foram contagiados. Sem rendimento, não sabem como pedir ajuda.

Chegou de repente e com estrondo. Não permitiu que as famílias se preparassem, não anunciou quando iria permitir ganhar oxigénio, nem deixa perceber quando será possível respirar de alívio. A crise que a pandemia provocou contagia as famílias em Portugal há um ano e criou uma realidade que até aqui não se conhecia: há uma pobreza envergonhada que não sabe como pedir ajuda. O fim das moratórias é um dos maiores receios para os prestadores de apoios sociais, que alertam para necessidade de cautelas para não haver uma escalada dos problemas sociais.

Os primeiros casos de covid-19 registaram-se em março de 2020; a partir daí, a evolução da situação entrou em velocidade cruzeiro e o primeiro estado de emergência foi decretado a 19 de março. Até então, o país registava crescimento económico, tinha fintado o défice e melhorava nas estatísticas do emprego. O setor turismo estimava no final de fevereiro que lhe faltava cerca de 40 mil pessoas para fazer face à procura. Mas o invisível vírus que chegou da China mudou a sociedade e a economia: o PIB afundou e o desemprego subiu, apesar da almofada dos vários mecanismos públicos que o impediram de escalar para dois dígitos (como nota o líder da UGT em entrevista o Dinheiro Vivo). Os rendimentos de muitas famílias caíram e os pedidos de ajuda subiram. Não é a primeira vez que Portugal atravessa uma crise. Mas esta é diferente.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
PortugalSociedade

Dez concelhos portugueses recuam ou mantêm fase do desconfinamento

PortugalSociedade

Desconfinamento avança hoje com reabertura de mais escolas, restaurantes e lojas

PortugalSociedade

Portugal pode não ter capacidade de administrar tantas vacinas que vão chegar

PortugalSociedade

Em 13 dias, farmácias portuguesas venderam 104 mil autotestes à covid-19

Assine nossa Newsletter