COI aprova agenda para pós-pandemia do olimpismo - Plataforma Media

COI aprova agenda para pós-pandemia do olimpismo

A assembleia-geral (AG) do Comité Olímpico Internacional (COI) aprovou hoje, por unanimidade, a Agenda 2020+5, um plano de ação em 15 pontos para o período pós-pandemia de covid-19

No encerramento da 137.ª Sessão do COI, que decorreu por via telemática, o plano foi aprovado, depois de seis horas de debate ponto a ponto, com destaque para a harmonização de um calendário desportivo “sobressaturado”, a atração dos esports (desportos eletrónicos) para o “desporto de sempre” e a continuação da política sustentável e de custos reduzidos dos próximos Jogos Olímpicos.

O presidente do organismo, Thomas Bach, que nesta AG foi reeleito até 2025, disse ainda ter cinco “tendências” no movimiento olímpico até ‘passar a pasta’: solidariedade, digitalização, desenvolvimento sustentável, credibilidade e resiliência económica, chaves para fazer frente ao período pós-pandémico.

“A nossa oportunidade é de alcance universal, que têm o desporto e os Jogos Olímpicos, para criar Pontes, aprofundar o entendimento entre pessoas e culturas, e ir mais além das câmaras de ressonância de conflitos”, discursou.

Mais tarde, na conferência de imprensa de encerramento, viria a escusar-se a comentar as várias críticas que o COI tem recebido quanto à realização dos Jogos de inverno Pequim2022 na China, com questões de direitos humanos, relacionadas com o Tibete e a minoria étnica uighur, em questão.

“Discutimos [o tema] hoje, no nosso âmbito. Muitas dessas questões estão no contrato da cidade organizadora. (…) A Carta Olímpica tem como um dos seus princípios chave a neutralidade política do COI”, defendeu.

Por outro lado, e questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de um boicote ao evento na capital chinesa, lembrou que este modelo “nunca funcionou”.

“Repito, e aconselho, a que se aprenda com a História. (…) O boicote aos Jogos de Moscovo em 1980 foram por causa da entrada do exército soviético no Afeganistão, tentando que saísse. Isso aconteceu nove anos depois”, atirou.

Bach remeteu para o Governo japonês e o Comité Organizador de Tóquio2020, adiado para este verão, uma decisão sobre a presença de público estrangeiro no evento, dizendo que o COI vai “respeitar” qualquer escolha, e para os comités olímpicos nacionais a responsabilidade de se entenderem com Governos quanto à vacinação de atletas.

Questionado sobre a inclusão de desportos eletrónicos no programa olímpico em Paris2024, como a utilização de sistemas tecnológicos que simulam as condições de rio para o remo, Bach recusou que tenha sido discutido para esses Jogos, mas “mais para Los Angeles2028”, e sempre numa lógica de “complemento” e não substituição.

Related posts
Desporto

OMS pede vitória "na corrida contra o vírus" em sessão do COI

Desporto

Presidente do COI diz que Jogos de Tóquio geraram dúvidas e 'noites sem dormir'

Desporto

Thomas Bach é reeleito para presidência do COI

Desporto

"Não sabemos como será amanhã, como podemos saber como será daqui a 316 dias?"

Assine nossa Newsletter