A batalha das “zungueiras” na busca pelo sustento - Plataforma Media

A batalha das “zungueiras” na busca pelo sustento

Com o bebé às costas e a bacia de frutas na cabeça, Manuela José anda pelas ruas de Luanda para encontrar clientes depois de comprar o negócio no mercado do Catinton às 6h da manhã.

A sua rotina está apenas a começar. De permeio, enfrenta o perigo de, por distracção, ser “apanhada” por um fiscal e perder o negócio, o que implicaria grande prejuízo, porque todo o seu dinheiro está empatado nas frutas que procura vender.

Moradora do bairro Mundial, no Benfica, Manuela é mãe de quatro crianças, cujo sustento diário serve de tónico para a “zunga” a que se dedica, num trajecto de coragem e perseverança. Sol ardente e cansaço físico pelo longo trajecto não a impedem de alcançar o objectivo de levar a refeição do dia seguinte aos filhos.

“Geralmente, acordo muito cedo, cerca das 4h e 30 minutos, a fim de pegar o primeiro autocarro e assim economizar um pouco, porque pago apenas 50 kwanzas”, disse, explicando que consegue diariamente comprar frutas variadas de 10 mil kwanzas. A par da bacia na cabeça, Manuela José carrega igualmente a esperança de vender tudo o que tem, a andar nas ruas cidade de Luanda, para lucrar aproximadamente 8 mil kwanzas se não sobrar produto.

Quando assim acontece, conta, corre logo para casa a fim de preparar uma boa refeição para os quatro filhos que deixou a dormir. Há, porém, aqueles dias em que “o negócio só anda das 18h em diante e temos que chegar a casa muito tarde. Estes são os dias mas tristes para as crianças que estão habituados a ver-me chegar cedo a casa. Tento sempre estar em casa às 19h no máximo”, assegurou.

De aspecto humilde, olhar determinado, atou o bebé que carregava às costas com um pano amarrado à frente à altura do peito, arriscando-se muitas vezes em meio ao tumultuado trânsito.

Leia mais em Jornal de Angola

Related posts
EconomiaPortugal

Maioria dos portugueses em situação de pobreza trabalha

AngolaPolítica

“Pobreza não deve justificar aumento de crimes na família”, diz ministra de Estado

EconomiaMoçambique

Recessão em Moçambique coloca 63,7% da população na pobreza, diz Banco Africano

EconomiaPortugal

O lado escondido do vírus criou uma pobreza que não sabe pedir ajuda

Assine nossa Newsletter