Secretaria da OEA solidariza-se com a "greve de fome contra a ditadura cubana"

Secretaria da OEA solidariza-se com a “greve de fome contra a ditadura cubana”

A Secretaria-geral da OEA solidarizou-se nesta quarta-feira(7) com os dissidentes cubanos que afirmam estar em greve de fome contra o governo da ilha, acusando a “ditadura cubana” de abusos de longa data que forçaram esta medida

“A Secretaria-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) expressa seu alerta à delicada situação das 27 pessoas que estão em greve de fome contra as práticas repressivas da ditadura cubana”, declarou o gabinete chefiado por Luis Almagro. 

A nota acrescentou que a repartição “responsabiliza a ditadura por ter levado a este extremo a repressão contra a União Patriótica de Cuba (UNPACU) e seus membros”. 

No dia 20 de março, o líder da UNPACU, José Daniel Ferrer, anunciou em sua conta no Twitter o início de uma greve de fome “em protesto ao aumento da repressão” contra ele. 

A Secretaria-geral da OEA instou o governo de Miguel Díaz-Canel a atender às reivindicações, reconhecidas, segundo ele, na Declaração Universal dos Direitos Humanos e nos elementos jurídicos do Sistema Interamericano. 

“É hora da ditadura cubana acatar as demandas dos grevistas, que não fazem nada além de exigir direitos e liberdades fundamentais para a condição humana”, afirmou. 

O gabinete de Almagro acusou a “ditadura cubana” de ser “durante décadas” um “enorme fardo” para o povo cubano, assinalando que deveria ter sido “extinta” como fizeram os regimes de fato das décadas de 1960 e 1970 na América. 

Além disso, culpou Havana “por todos os crimes contra a humanidade típicos do terrorismo de Estado das outras ditaduras hemisféricas: desaparecimentos forçados, execuções extrajudiciais, presos políticos, perseguição política, tortura”. 

Almagro, diplomata uruguaio que chefia a Secretaria-geral da OEA desde 2015, é um severo crítico da Cuba instituída por Fidel Castro em 1959, que considera a “ditadura mais antiga da América” com “efeitos nocivos” para todos da região. 

Cuba é membro não ativo da OEA desde 2009, depois que sua exclusão, decidida em 1962, foi revogada naquele ano.

Related posts
MundoPolítica

Cuba nega 'repressão contra o povo' e critica sanções americanas

MundoPolítica

EUA impõem novas sanções contra Cuba após onda de protestos na ilha

MundoPolítica

Cuba denuncia 'manobra intervencionista' dos EUA para recrudescer embargo

MundoPolítica

Enxergamos os protestos em Cuba como algo nosso, afirma opositor venezuelano

Assine nossa Newsletter