Governo italiano defende relação mais equilibrada e recíproca da UE com China

Governo italiano defende relação mais equilibrada e recíproca da UE com China

A União Europeia (UE) quer uma relação mais equilibrada com a China, que inclua a reciprocidade em matérias como o acesso a mercados e regras de auxílios estatais, disse o secretário de Estado italiano para os Assuntos Europeus

“A UE está a fazer uma reflexão sobre a relação que tem com a China”, disse Vincenzo Amendola, secretário de Estado do Governo do primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, em entrevista à Bloomberg Television.

O responsável considerou “positiva” a mudança de postura de Bruxelas, uma vez que vai divergir “do passado”, em que as relações entre a UE e a China estavam “todas baseadas em exportações e comércio”.

Mario Draghi foi uma das principais figuras dentro dos Estados-membros da União Europeia a apoiar o endurecimento da relação entre Bruxelas e Pequim, em consonância com a posição da administração dos Estados Unidos da América (EUA), liderada pelo democrata Joe Biden.

A bloco europeu ‘congelou’ a ratificação de um acordo de investimentos com a China, depois da imposição de sanções a oficiais por causa de alegados abusos dos direitos humanos.

Amendola explicitou, durante a entrevista, que a UE quer garantias de reciprocidade por parte da China, desde questões legais a regras de competição e até apoio estatal a empresas privadas, o que “infelizmente” não aconteceu no passado.

Related posts
EconomiaMundo

Países da zona euro devem manter “postura orçamental de apoio” em 2022

MundoSociedade

UE adverte que campanhas de vacinação podem ignorar grupos vulneráveis

PolíticaPortugal

Portugueses são os europeus com uma imagem mais positiva da UE

SociedadeTimor-Leste

UE, Timor e ONG analisam integração de alterações climáticas no currículo escolar

Assine nossa Newsletter