Brasil adere a cabo de fibra ótica que ligará América do Sul a Oceânia e Ásia - Plataforma Media

Brasil adere a cabo de fibra ótica que ligará América do Sul a Oceânia e Ásia

O Brasil anunciou na quinta-feira a adesão a um projeto de 400 milhões dólares (331,2 milhões de euros) para conectar a América do Sul à Oceânia e à Ásia através de um cabo de fibra ótica.

Em causa está um cabo submarino de 14.800 quilómetros, que fortalecerá a internet no país.

A adesão formal do Brasil ao chamado projeto “Humboldt”, uma iniciativa do Governo do Chile, foi anunciada num comunicado conjunto dos Ministérios das Relações Exteriores e das Comunicações brasileiros.

O maior país da América do Sul junta-se assim a um projeto que já conta com a participação da Argentina, Chile, Austrália e Nova Zelândia, e cuja execução e operação serão concedidas por 25 anos a um consórcio público-privado.

“O cabo, que contará com sistema de oito fibras óticas e terá capacidade inicial de transmissão de dados de até 400 Gbps [gigabytes por segundo], conectará Valparaíso (Chile) a Sydney (Austrália), passando por Auckland (Nova Zelândia), num total de 14.810 quilómetros de extensão”, explica o comunicado.

Já a conexão da Austrália com a Ásia é feita por cinco cabos já implantados e em funcionamento.

Nos próximos meses, equipas técnicas dos países envolvidos aprofundarão as discussões sobre as “modalidades financeiras” e “técnicas da participação do Brasil neste projeto de longo prazo”, acrescentaram os Ministérios.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos França, afirmou que a iniciativa permitirá acelerar a interconexão e digitalização das economias de todos os países sul-americanos.

“A pandemia acelerou a transformação digital e demonstrou a importância de que nos apropriemos do potencial da economia digital para benefício da sociedade, sem descurar a resiliência e a segurança das redes”, afirmou o ministro, na cerimónia em que anunciou a adesão do Brasil à iniciativa.

O projeto também completará a conexão por fibra ótica do Brasil com outros países sul-americanos. Atualmente, Argentina, Brasil e Chile respondem por 80% do tráfego de internet na América do Sul.

A iniciativa junta-se a outras já em andamento para interligar o Brasil com o resto do mundo, como o cabo submarino EllaLink, que ligará o nordeste brasileiro aos países europeus.

“A conexão com a Europa pelo cabo EllaLink, que vai intensificar a transmissão de dados com os principais continentes produtores de conteúdo e procura, vai permitir a redução de custos para as empresas e aumentar a eficiência dos processos produtivos”, aponta o comunicado.

Assine nossa Newsletter